Millenium / Artigos e reportagens de games / Counter-Strike: Global Offensive /

Fora do Major de CS:GO, MIBR vive pior momento desde retorno aos esports

Fora do Major de CS:GO, MIBR vive pior momento desde retorno aos esports
0

Em pouco mais de três anos, equipe perdeu relevância internacional e ficou atrás da Sharks na corrida do RMR sul-americano

Fora do Major de CS:GO, MIBR vive pior momento desde retorno aos esports

Quando teve seu retorno ao cenário de esports anunciado, em 23 de junho de 2018, a tag da MIBR instantaneamente se tornou uma das mais badaladas do cenário de CS:GO. Adquirida pela Immortals em dezembro do ano anterior, a marca carregava ao mesmo tempo uma enorme expectativa e uma responsabilidade ainda maior.

Campeã mundial em 2006, ainda nos tempos de CS 1.6, a MIBR retornava cercada de hype, afinal de contas tinha já em seu segundo campeonato oficial, a ELEAGUE Premier 2018, um elenco inteiramente formado por campeões de Major: os brasileiros Fallen, Coldzera e Fer - que dominaram o cenário em 2016 e 2017 por Luminosity e SK Gaming, com os trrês sendo os principais destaques individuais dessass equipes e Coldzera duas vezes eleito melhor jogador do mundo -, e os americanos Stewie2K e Tarik, que meses antes haviam conquistado a ELEAGUE Major Boston pela Cloud9, inclusive com Tarik sendo eleito MVP do mundial. No papel, um time que tinha tudo para dar certo, mas que acabou durando menos de 6 meses.

Após uma primeira temporada sem títulos do tier 1 mundial, mas com várias campanhas de destaque em grandes eventos, Tarik e Stewie2K acabaram dispensados e deram lugar aos brasileiros TACO, bicampeão de Major ao lado Fallen, Fer e Coldzera, e Felps, que em 2017 havia conquistado cinco títulos ao lado do quarteto jogando pela SK Gaming. Após uma semifinal de Major na IEM Katowice 2019, a equipe acumulou maus resultados e iniciou entrou numa espiral decadente que se arrasta até hoje.

O episódio mais recente é certamente o maior deles. Fora da elite do CS:GO mundial e agora mirando objetivos bem mais modestos, como uma classificação para Major disputando os eventos RMR da América do Sul, a organização defendida por Boltz, Chelo, Yel, Shz e Exit acabou ficando atrás da Sharks no ranking regional, inclusive com duas derrotas para os Tubarões na IEM Fall South America, e chegou ao ponto mais baixo desde a entrada no cenário de CS:GO.

Neste artigo, o MGG Brasil contará um pouco da história da MIBR nesses mais de 3 anos após o retorno da tag ao FPS da Valve, os diversos problemas dentro e fora do servidor que têm marcado a equipe e a incerteza sobre o futuro de uma tag que foi de uma potencial campeã de Major a um time que, hoje, briga para se estabelecer num cenário sul-americano esvaziado, uma vez que as principais equipes brasileiras da atualidade se estão na América do Norte e brigam para representar o país no Major de Estocolmo e outros grandes eventos internacionais.

MIBR = Brasil + EUA + Sérvia

ZOTAC Cup Masters foi o primeiro título da MIBR no CS:GO (Foto: Divulgação/ZOTAC Cup Masters) - Counter-Strike: Global Offensive
ZOTAC Cup Masters foi o primeiro título da MIBR no CS:GO (Foto: Divulgação/ZOTAC Cup Masters)

No anúncio oficial do retorno da MIBR, a lineup era formada por Fallen, Fer, Coldzera, Stewie2K e Boltz, mas a única competição desta equipe foi a ESL One Cologne 2018, já que menos de uma semana após o término da competição, Boltz seria dispensado do time titular para dar lugar a Tarik. Na catedral alemã do CS:GO, a MIBR terminou no top 8, com vitórias sobre Renegades e North e derrotas para Faze Clan e BIG. Mesmo sem brigar pelo título, a equipe deu sinais de que poderia alçar voos altos.

Após a chegada de Tarik, a MIBR teve compromisso seguinte a disputa da ELEAGUE Premier 2018, e acabou caindo na fase de grupos, com uma vitória sobre a Cloud9, ex-time de Stewie2K e Tarik, e duas derrotas para a Team Liquid, que tinha em sua lineup o brasileiro TACO, ex-companheiro de Fer, Fallen e Cold na Luminosity e SK.

Pouco depois da eliminação na ELEAGUE, a MIBR adicionou mais um estrangeiro ao staff. Analista de várias grandes competições internacionais, o sérvio Janko "YNK" Paunovic foi anunciado como novo técnico da equipe, substituindo, Ricardo "dead" Sinigaglia, que assumiu o cargo de manager. Agora com três estrangeiros renomados na equipe, a MIBR parecia ter um planejamento claro mirando o sucesso internacional no curto prazo, e mesmo sem grandes títulos, aquela temporada de 2018 foi a de melhores resultados para a organização no CS:GO.

A primeira competição após a chegada de YNK foi a ZOTAC Cup Masters, campeonato que mesmo não reunindo os melhores times do mundo na ocasião, ainda reunia algumas orgs tradicionais do CS:GO, como Optic Gaming, Virtus Pro, Team Kinguin e Tyloo, melhor time asiático naquela época. Com vitórias sem perder mapas sobre Flash Gaming, MVP PK e Team Kinguin, a MIBR conquistou seu primeiro título logo no terceiro campeonato disputado aumentou as expectativas em torno do time em eventos maiores.

Na DreamHack Masters Stockholm, a MIBR passou em primeiro lugar no grupo A, com vitórias sobre HellRaisers e Mousesports, mas caiu nas quartas de final do torneio, após perder para a Astralis, melhor time do mundo naquele momento, e terminou sua participação com mais um top 8 na temporada.

Com o término dos eventos preparatórios para o grande momento da temporada, a MIBR foi para a disputa do FACEIT Major de Londres sem o status de principal favorita, mas com chances de uma boa campanha, e foi justamente isso que ocorreu. Como Fallen, Fer e Coldzera haviam garantido o status de Legends pelo desempenho na ELEAGUE Major de Boston, ainda pela SK Gaming, a MIBR estreou já no New Legends e Stage, e avançou aos playoffs com três vitórias, sobre Mousesports, G2 e Ninjas in Pyjamas, e duas derrotas, para Tyloo e Astralis.

Nas quartas de final, a MIBR não tomou conhecimento da Complexity Gaming, que vinha invicta na competição, e aplicou 2 a 0 sobre a equipe da América do Norte, com parciais de 16x4 no mapa Train e 16x12 em Inferno. A Made in Brazil cairia somente na semifinal do torneio, após derrota por 2 a 0 para a NaVi de S1mple e Electronic, uma das favoritas ao título, em parciais de 16x10 em Overpass e 16x5 em Dust 2. Mesmo com a eliminação, a equipe deixou boa impressão em seu primeiro Major, especialmente pelo pouco tempo com os cinco jogadores atuando juntos.

A primeira competição da MIBR após o Major foi a BLAST Pro Series Istanbul, e mais uma vez a equipe deixou boa impressão mesmo sem sair com o título. Na primeira fase da competição, a equipe brasileira perdeu para a Astralis, empatou com a NInjas in Pyjamas e venceu Cloud9, Space Soldiers e Virtus Pro. Classificada para a final com a segunda melhor campanha, a MIBR mais uma vez precisaria encarar a Astralis, campeã do Major de Londres e consolidada como melhor time do mundo. Apesar do favoritismo, os dinamarqueses tiveram enorme trabalho contra a Made in Brasil e venceu num 2 a 1 apertado: 16x3 na Train, 14x16 em Overpass e 16x14 em Inferno.

Após campanhas ruins na BLAST Pro Series Copenhagen e na IEM Chicago, a MIBR garantiu vaga na Esports Championship Series Season 6 e na ESL Pro League Season 8, com direito a melhor na campanha no qualificatório da América do Norte.

Na ECS Season 6, a MIBR avançou aos playoffs na liderança do grupo A, com uma vitória surpreendente por 16 a 7 sobre a Astralis no mapa Mirage e um 2 a 0 sobre a Cloud9. Na semifinais, a Made in Brazil aplicou 2 a 1 sobre a North, mas acabou com o vice-campeonato do evento. Na grande final, a equipe Fallen, Cold e companhia fez um jogo duríssimo contra a Astralis, mas acabou derrotada por 2 a 0: 16x14 em Inferno e 22x20 em Overpass.

Na ESL Pro League Season 8, penúltima competição da MIBR na temporada, a equipe fez mais uma boa campanha. Após vencer Sharks, NRG e Mousesports, a Made in Brazil avançou de forma direta às semifinais por terminar na liderança do grupo B. Nas semifinais, o time de Fallen, Fer e Cold acabou dominado pela Team Liquid, mas fez mais uma boa campanha em um grande evento internacional.

A última competição do ano foi a BLAST Pro Series Lisboa, na qual a MIBR acabou na quarta posição, com vitórias sobre NaVi (16x2) e Ninjas in Pyjamas (16x6), empate com a Cloud9 (15x15) e derrotas para Cloud9 (16x14) e Astralis (16x7). Apesar de um único título na temporada, as boas campanhas da MIBR em 2018 pareciam ser o terreno para um 2019 promissor, mas a organização e o trio brasileiro de jogadores desejaram mudanças que, mais tarde, se provariam equivocadas.

MIBR 100% BR e declínio após começo promissor

TACO, Felps e Zews se juntaram a Fallen, Fer e Coldzera na MIBR em 2019 (Foto: Divulgação/MIBR) - Counter-Strike: Global Offensive
TACO, Felps e Zews se juntaram a Fallen, Fer e Coldzera na MIBR em 2019 (Foto: Divulgação/MIBR)

Apesar do título na ZOTAC Cup Masters e das boas campanhas no FACEIT Major de Londres, BLAST Pro Series Istanbul, ECS Season 6 e ESL Pro League Season 8, a lineup da MIBR com Tarik e Stewi2K ao lado do trio brasileiro e com YNK no comando técnico não sobreviveu à falta de títulos importantes, críticas à lineup mista por grande parte da comunidade e desejo dos jogadores brasileiros de voltarem a se comunicar em português. Para a disputa da temporada de 2019, a MIBR trouxe TACO e Felps para os lugares dos americanos e o técnico Wilton "Zews" Prado para o lugar de YNK.

Além do maior apelo junto à torcida brasileira e vantagens de se comunicar no idioma nativo, a nova formação da MIBR parecia também um apelo aos tempos de glória de Luminosity e SK Gaming. Afinal de contas, TACO e Zews esteviram na conquista dos dois Majors de 2016 - MLG Columbus e ESL One Cologne -, enquanto Felps esteve em cinco dos oito títulos conquistados pela SK Gaming em 2017, incluindo a IEM Sydney, Esports Championship Series Season 3 e ESL One Cologne 2017, ao lado de TACO, Fallen, Fer e Cold.

No papel, o time tinha enorme potencial para dar certo, pois reunia jogadores com currículos vencedores e vários dos nomes mais talentosos do Brasil, mas alguns fatores foram ignorados na montagem da equipe, como o mau momento que TACO vivia quando deixou a SK Gaming, em março de 2018, e o fato de Felps ter saído da equipe em outubro de 2017 por não se sentir à vontade na função que desempenhava no time. Ainda assim, a aposta se mostrou promissora no começo.

O primeiro compromisso da nova MIBR foi justamente o Major inaugural da temporada de 2019: a IEM Katowice. Com uma lineup recém-formada, as chances de títulos eram pequenas, mas mesmo assim a equipe fez boa campanha no torneio e deixou uma impressão positiva.

No New Legends Stage, a Made In Brazil estreou com derrota para a Cloud9, mas avançou aos playoffs após três vitórias consecutivas sobre Complexity Gaming, G2 e Ninjas in Pyjamas. Nas quartas de final, a MIBR aplicou um 2 a 0 sobre a Renegades, mas acabou eliminada nas semis pela Astralis, com parciais de 16x14 em Overpass e 16x7 no mapa Inferno.

O que parecia um começo promissor, no entanto, acabou sendo um dos poucos bons resultados daquela lineup na temporada. O top 4 da MIBR no Major foi seguido de uma má campanha na WESG, com derrota nos playoffs para a pouco conhecida Windigo, da Bulgária, e cinco derrotas em cinco jogos da BLAST Pro Series São Paulo, competição na qual a equipe brasileira terminou na última posição.

Na BLAST Pro Series Miami, a MIBR fez uma campanha melhor e terminou na terceira posição, com direito a um surpreendente 16x2 na Astralis no mapa Overpass, vitória sobre a Cloud9, empate com a Faze Clan e derrotas para Team Liquid e NaVi.

O torneio seguinte foi a IEM Sydney, naquela que foi a última grande campanha da MIBR num evento do tier 1 internacional com participação 16 equipes. A MIBR estreou com vitória sobre a australiana Grayhound, e na sequência aplicou um 2 a 0 sobre a Fnatic, com contundentes 16x4 no mapa Nuke e 16x9 em Overpass. Classificada aos playoffs, a Made in Brazil perdeu a chance de avançar de forma direta às semifinais ao perder para a NRG por 2 a 0 na disputa de 1º lugar.

Nos playoffs, a MIBR venceu Mousesports por 2 a 0 nas quartas de final, em parciais de 22x19 em Mirage e 16x10 em Overpass, mas caiu nas semifinais para a Team Liquid, também por 2 a 0 (16x10 em Mirage e 19x15 em Nuke).

O último torneio antes de Felps ser dispensado pela MIBR foi a ESL Pro League Season 9, torneio no qual a equipe terminou no top 8, com vitórias sobre Luminosity e North e derrotas para North e Team Liquid, que naquele momento da temporada vinha dominando o cenário de CS:GO.

Com Lucas "LUCAS1" Teles contratado para a vaga de Felps, a MIBR foi para a disputa da ESL One Cologne, mas a equipe foi eliminada com duas derrotas em dois jogos para Fnatic e BIG. Pouco após a eliminação do torneio, Coldzera anunciou sua saída da equipe.

Com a saída de dois dos cinco jogadores que compunham a lineup planejada para a temporada de 2019, a MIBR precisou improvisar o técnico Zews como jogador para a disputa da IEM Chicago e do Major de Berlin, já que o prazo para a janela de transferências já havia se encerrado. Mesmo improvisada, a Made in Brazil conseguiu boas vitórias sobr Envy e G2 na fase de grupos da IEM Chicago e caiu nas semifinais diante da ENCE, após derrota por 2 a 1. No Major, porém, a equipe venceu apenas 1 de 4 jogos disputados e, pela primeira vez desde 2015, o Brasil não tinha mais uma equipe no top 8 de um Major de CS:GO.

Em setembro daquele ano, a MIBR anuncia o experiente kNg, vice-campeão de Major ao lado LUCAS1 pela Immortals em 2017, para fechar a lineup, mas a equipe brasileira não conseguiu mais campanhas de grande destaque em eventos internacionais de grande porte e termina temporada claramente enfraquecida. A temporada de 2020 seria marcada por maus resultados dentro do servidor e polêmicas fora dele.

2020: Dança das cadeiras e fim do "núcleo" campeão de Major

2020 ficou marcado pelas saídas de Fallen, Fer e TACO da MIBR (Foto: Divulgação/MIBR) - Counter-Strike: Global Offensive
2020 ficou marcado pelas saídas de Fallen, Fer e TACO da MIBR (Foto: Divulgação/MIBR)

Para o começo da temporada de 2020, que posteriormente seria enormemente prejudicada no mundo inteiro em função da pandemia de Covid-19, a MIBR anunciou mais uma mudança na lineup: a contratação do jovem argentino Ignacio "meyern" Meyer para o lugar de LUCAS1. A temporada começou com um vice-campeonato no qualificatório da América do Norte para a IEM Katowice 2020, após derrota pra a Cloud9 na grande final.

Convidada para a disputa da BLAST Premier Spring 2020, a MIBR dá adeus ao torneio com duas derrotas em dois jogos contra Team Liquid e Ninjas in Pyjamas, e na sequência cai ainda na fase de grupos da DreamHack Open Anaheim, com uma vitória diante da ENCE e duas derrotas par a Complexity. Na ESL Pro League: North America, a Made in Brazil termina na 4ª posição entre 6 participantes, com derrotas para Team Liquid, Evil Geniuses e dois revezes para a FURIA, incluindo a eliminação na primeira rodada dos playoffs.

A primeira esperança de título para a MIBR na temporada veio na Flashpoint Season 1, disputada entre de 13 de março e 19 de abril. Mesmo sem a presença dos melhores times de CS:GO do mundo naquele momento, a competição reunia várias orgs tradicionais dos esports, como Cloud9, Team Envy, MAD Lions, Gen G e FunPlus Phoenix. Após uma longa competição, a Made in Brazil faz uma excelente campanha e chega às finais com uma campanha invicta nos playoffs. Na grande final contra a Mad Lions, porém, a equipe perde de virada por 2 a 1, inclusive desperdiçando uma vantagem 12 a 3 no mapa Train, e fica com um vice-campeonato amargo.

Após ficar apenas na 7ª/8ª posição da ESL One: Road to Rio - North America, primeiro evento RMR daquela temporada, a MIBR decide fazer uma nova mudança em prol de uma lineup 100% brasileira e da busca por melhores resultados. Meyern é dispensado da organização e dá lugar a Alencar "Trk" Rossato, ex-Team One.

Com a nova contratação, a Made in Brazil tem como primeiro compromisso a DreamHack Masters Spring: North America, torneio no qual é eliminada ainda na fase de grupos, com uma vitória sobre a Chaos e derrotas para FURIA, que mais tarde se sagraria campeã invicta do torneio, e Team Liquid, vice-campeã do evento.

O campeonato seguinte foi aquele que trouxe de volta à MIBR a esperança de recuperação na temporada, a BLAST Premier 2020: Spring American Finals. Naquele que foi o último grande resultado da organização em um torneio fora do cenário sul-americano, a Made in Brazil venceu FURIA e Evil Geniuses em sequência para chegar à grande final, mas acabou derrotada por 2 a 0 pela própria EG, que se recuperou após a derrota na final da upper bracket para os brasileiros e acabou com o título.

Nos meses seguintes, a MIBR acumulou maus resultados em diferentes competições, e o comando da organização decidiu promover uma grande reformulação no elenco em setembro. A organização, que em março já havia perdido o técnico Zews, decide dispensar TACO, Fer e o manager Dead. Insatisfeito com a decisão da org, Fallen pede para ser movido para o banco de reservas e não jogar mais pela organização até o término de seu contrato.

Posterioemente, Fer, TACO e Dead se pronunciaram em diferentes momentos sobre a organização, fazendo críticas à administração e dizendo que se sentiram desrespeitados enquanto profissionais pela forma como a dispensa foi feita. Sem nenhuma das principais estrelas do time, a MIBR foi buscar alternativas no mercado.

Precisando fechar uma lineup às pressas para dar conta dos últimos compromissos da temporada, a MIBR mantém somente kNg e Trk no time e faz quatro contratações: os jogadores Vinícius "vSm" Moreira, Leonardo "Leo_drk" Oliveira e Lucas "LUCAS1" Teles, que fechariam o quinteto com os atletas remanescentes da Made in Brazil, e o técnico Raphael "Cogu" Camargo, campeão mundial pela organização em 2006, ainda nos tempos de CS 1.6.

O primeiro compromisso do novo time foi a BLAST Premier: Fall 2020. Embora tenha sido eliminada com uma vitória e duas derrotas, a nova equipe deixou boa impressão pelo triunfo sobre a FURIA, melhor time da América do Norte em 2020, e pelas boas atuações mesmo em derrotas contra equipes da elite europeia, como Astralis e G2, tirando inclusive um mapa de ambos os times.

O torneio seguinte foi a BLAST Premier: Fall Showdown, no qual a MIBR estreou com vitória sobre a Faze Clan e foi eliminada após derrota para Team Liquid. No encerramento da temporada, a equipe disputou a Flashpoint Season 2, evento no qual a Made in Brazil venceu equipes como Envy, Forze, OG e Mad Lions e terminou na quarta posição, após derrota para a própria OG na semifinal da chave dos perdedores. Na campanha, a MIBR também fez um bom jogo diante da BIG na fase de grupos, sendo derrotada por 16 a 14 no mapa de desempate.

A boa impressão deixada pela lineup montada às pressas parecia indicar que a MIBR investiria na equipe para a temporada seguinte. Em 6 de janeiro de 2021, porém, a organização anunciou as saídas de leo_drk, vSm, LUCAS1 e Cogu.

Uma reportagem do GE indicou que um impasse nos valores salariais e o não pagamento de ajuda de custo para os jogadores se manterem fora do país foram dois dos principais fatores para a dispensa do quarteto. Contrariados com a decisão da org, kNg e trk pediram para serem movidos para o banco de reservas da organização até o término de seus contratos. Cogu, por sua vez, disse ter sido chamado de criança e se sentiu um lixo durante a negociação com a MIBR.

Sem jogadores e técnico para iniciar 2021, a MIBR precisou se reformular novamente para a temporada que estava por vir

Com aposta na "ex-Boom", MIBR fica fora do Major de Estocolmo

MIBR apostou na base que defendeu a BOOM para disputar a temporada de 2021 (Foto: Divulgação/MIBR) - Counter-Strike: Global Offensive
MIBR apostou na base que defendeu a BOOM para disputar a temporada de 2021 (Foto: Divulgação/MIBR)

Na temporada de 2020, a Boom dominou completamente o cenário brasileiro e sul-americano de CS:GO, com 9 títulos conquistados em 9 campeonatos disputados. A lineup formada por Felps, Boltz, Chelo, Yel e Shz, sob o comando do técnico Apoka, foi imbatível e apresentou um nível de CS:GO que chegou a gerar expectativa de como o quinteto se sairia se tivesse a chance de disputar campeonatos internacionais. Quando se viu sem uma lineup para a temporada de 2021, a MIBR fez a escolha que parecia mais óbvia: apostou na base daquele time, que já estava em fim de contrato com a organização da Indonésia e optou pela não renovação.

Em 15 de janeiro, a Made in Brazil anunciou oficialmente o time, que tinha uma diferença importante em relação à Boom de 2020. Felps, principal destaque do time na temporada anterior e que havia optado por deixar a organização ainda no fim de 2020 para mais tarde assinar com a GODSENT, foi substituído por Danoco, jogador com passagens por INTZ, Bravos e Sharks.

Com a nova lineup, a MIBR viajou à Europa mirando disputar várias competições importantes no Velho Continente entre janeiro e abril. Ao todo, foram seis eventos: cs_summit 7, BLAST Premier: Spring Groups IEM XV - World Championship, Snow Sweet Snow 2, ESL Pro League Season 13 e BLAST Premier: Spring Showdown 2021.

A experiência internacional, porém, se mostrou frustrante. Apesar de algumas boas atuações diante de equipes do tier 1 mundial, como Heroic, Gambit e NaVi, a MIBR acumulou eliminações em fases iniciais desses torneios e não integrou o top 8 de nenhum deles, algo inédito desde o retorno da tag ao competitivo do FPS da Valve numa sequência de seis torneios internacionais

Entre a eliminação da ESL Pro League e começo da BLAST Premier: Spring Showdown, a MIBR já promoveu a primeira mudança no elenco. No dia 30 de março, a organização anunciou a contratação de Raphael "Exit" Lacerda, ex-Sharks, e colocou o jogador no time titular no lugar de Danoco.

Diferentemente das outras equipes brasileiras que almejam destaque internacional, como FURIA, GODSENT, Pain, Team One e O Plano (atual 00Nation), que ficaram na América do Norte para a disputa dos RMRs, a MIBR optou por permanecer disputando os RMRs sul-americanos na briga por uma vaga no Major. Parecia a decisão lógica, uma vez que mesmo não se apresentando bem em solo internacional, a lineup vinda da Boom dominou a América do Sul em 2020.

O primeiro RMR da região na temporada foi a CBCS Elite League: Season 1, e mesmo com algumas dificuldades a mais do que o esperado, a MIBR conquistou o título do torneio, tendo confrontos duros com Havan Liberty, nas quartas de final da competição, e Sharks, na grande final.

Com a missão cumprida em solo brasileiro, a Made in Brazil partiu para uma segunda temporada de mais quatro torneios na Europa: Spring Sweet Spring 3, Gamers Without Borders 2021, IEM Cologne 2021, um dos campeonatos mais importantes da temporada de CS:GO e primeiro grande evento em LAN desde o começo da pandemia, e Pinnacle Cup 2. Mais uma vez, porém, a MIBR teve uma passagem sem brilho no Velho Continente.

Foram 10 jogos disputados e 8 derrotas neste período. Os únicos triunfos vieram diante de HAVU Gaming Lyngby Vikings na Pinnacle Cup 2, mas mesmo nesta competição a equipe não avançou aos playoffs, pois foi derrotada por Endpoint, Young Ninjas (equipe Academy da Ninjas in Pyjamas) e Team Fiend no Main Swiss Stage.

De volta ao Brasil a MIBR disputou mais dois eventos RMR da América do Sul. Desta vez, porém, a equipe não apenas teve enormes dificuldades contra equipes brasileiras, como também saiu sem os títulos desses eventos e, pior, sem a vaga para o PGL Major Stockholm, principal objetivo da organização e jogadores na temporada.

Na CBCS Elite League: Season 2, a MIBR avançou de forma invicta aos playoffs, com vitórias sobre Vivo Keyd, Detona Gaming e Havan Liberty. Nas quartas de final, passou sem dificuldades pela KG Network, mas nas semifinais acabou derrotada por 2 a 1 pela Sharks. Na disputa de terceiro lugar, a Made in Brazil venceu a Paquetá Gaming por 2 a 0, mas acabou somando apenas 1750 pontos de 2000 possíveis, pontos estes que fariam muita falta no final do RMR sul-americano.

O terceiro e último RMR da temporada foi a IEM Fall 2021: South America, que reuniu somente quatro equipes: MIBR, Sharks, Bravos e Imperial. A disputa pela vaga no Major, porém, estava restrita a MIBR e Sharks, e a equipe que terminasse com a melhor campanha se classificaria para o Mundial.

Mais uma vez, a Made in Brasil levou a pior nos confrontos diretos com Sharks: na estreia da competição e na final da chave inferior, perdendo os 4 mapas disputados nos 2 confrontos. Fora do Major de Estocolmo, a MIBR vive oficialmente o seu pior momento desde a entrada no cenário competitivo de CS:GO, e até mesmo o destino da atual lineup parece incerto, uma vez que o grande objetivo da temporada foi perdido.

O que o futuro reserva?

Em meio a maior crise da MIBR desde a entrada no CS:GO, organização promoveu reformulação administrativa (Foto: Divulgação/MIBR)A - Counter-Strike: Global Offensive
Em meio a maior crise da MIBR desde a entrada no CS:GO, organização promoveu reformulação administrativa (Foto: Divulgação/MIBR)A

No mesmo dia que a IEM Fall começou, a MIBR anunciou em todos os seus canais oficiais uma reformulação administrativa na organização. Roberta Coelho, uma das criadoras da Game XP e profissional que por quase 10 anos trabalhou no Rock in Rio, foi anunciada como CEO da organização, tornando-se a primeira pessoa na história a assumir este cargo desde a refundação da MIBR.

Ao mesmo tempo, a organização de esports anunciou a criação de um conselho consultivo, formado por Paulo Velloso, fundador do MIBR, Ivan Martinho, World Surf League na América Latina, e Yuri "Fly" Uchiyama, CEO da Gamers Club e que vinha exercendo o cargo de diretor da organização.

"É muito importante uma organização brasileira ter uma equipe de gestão brasileira dedicada. O MIBR terá pessoas focadas em seu crescimento e ajudando a trazer mais títulos para seus fãs. Roberta, além de fã do MIBR, tem vasta experiência no mercado de entretenimento e criou um dos principais eventos de games do país", disse Fly sobre o anúncio de Roberta Coelho como CEO da MIBR.

Embora não esteja claro quais serão os impactos da reformulação administrativa da MIBR sobre a gestão da equipe de CS:GO, a organização ressalta que deseja estreitar laços com a comunidade e estar mais aberta às opiniões de torcedores. Independentemente das decisões que sejam tomadas, a organização vive hoje o maior momento de crise de sua história, e a não classificação para o Major deverá ter, sim, causar mudanças no time, ainda que seja difícil prever se haverá reformulação total ou se as mudanças serão parciais.

Se o desejo da MIBR hoje é voltar a ser uma equipe respeitada e temida internacionalmente, o crescimento em performance competitiva será parte fundamental de uma equação complexa e que depende de um fator imprevisível: o componente humano. A história dos esports mostra que mesmo times que já chegaram ao topo do mundo tiveram dificuldade de permanecer na elite por temporadas consecutivas. Para a MIBR, que deseja atingir um patamar no qual nunca esteve no CS:GO especificamente, a missão será ainda mais árdua, especialmente considerando que mesmo os melhores times do Brasil hoje ainda estão longe do topo, embora indiscutivelmente muitos degraus acima da atual Made in Brazil.

esports-csgo

Opinião: GODSENT é o mais promissor dos novos times brasileiros de CS:GO

Título da DreamHack Open North America pode ser divisor de águas para a equipe de TACO, Felps, Dumau, B4rtiN e Latto

IEM Fall NA: Como está a situação dos times brasileiros na briga por vagas no Major?

FURIA e 00Nation são as equipes do país na zona de classificação no momento, enquanto Pain, GODSENT e Team One precisam de grande campanha no torneio

esports-csgo

Calendário e guia de jogos da IEM Fall North America 2021 de CS:GO

FURIA, 00Nation, Pain Gaming, GODSENT e Team One disputam último RMR da temporada na briga por vagas no Major de Estocolmo

0

Mais Reportagens

18:14 CS:GO: S1mple diz que AWP "poderia ter apenas cinco balas"
10:00 S1mple vira personagem jogável em RAID: Shadow Legends
12:53 CS:GO: BLAST Rising LATAM tem grupos e calendário definidos
19:58 GODSENT vence Sprout e se classifica para a ESL Pro League Season 15 de CS:GO
14:00 BLAST Rising LATAM revela 16 times participantes e terá Sharks, Imperial e mais
18:39 CS:GO: FURIA move VINI para a reserva e busca AWPer; Saffee é o favorito para a vaga
12:00 22 pro players negros de destaque nos esports no Brasil e no mundo
14:02 BLAST Rising LATAM é anunciada com 16 times e premiação de US$ 15 mil
12:26 CS:GO: VINI, da FURIA, é cogitado pela Team Liquid para 2022
18:57 CS:GO: GODSENT estreia com vitória na EPL Conference S15; Sharks perde para LDLC

Recomendados

Os 7 maiores jogadores brasileiros de CS:GO (até agora)
Quais são as piores armas do CS:GO? Pro players opinam
"O time que eu estiver será o melhor" e outras frases marcantes da história do CS

Descubra guias

CS:GO: Comandos para treinar e como montar sua configuração
Todas as patentes e ranks do CS:GO
Dicionário CS:GO: O glossário completo de termos e gírias