Millenium / Artigos e reportagens de games / League of Legends /

JinkiWinkki: do humor à representatividade, conheça a trajetória da Garota Mágica streamer da Xisde

JinkiWinkki: do humor à representatividade, conheça a trajetória da Garota Mágica streamer da Xisde
1

"As streams começaram a dar certo e eu comecei a ver como um trabalho, uma coisa que eu gosto, onde eu posso ser palhaça. Eu pretendo levar as streams para o resto da vida se der."

"Me considero uma palhaça, mas ao mesmo tempo eu sou muito na minha. Ao mesmo tempo que eu sou o que sou na internet, porque né, eu sou louca desse jeito. Às vezes as pessoas dizem que eu sou forçada e tal, mas eu realmente sou a mesma coisa" foi como Gabriela "JinkiWinkki" se descreveu.

Moradora de Aparecida, interior de São Paulo, Jinki tem 23 anos e é formada em Rádio e TV: "Sou streamer, faço palhaçada na internet e às vezes apresento também".

Influenciadora da recém anunciada organização Xisde, ela também é ex-streamer da Vorax e compõe as Garotas Mágicas ao lado de Riyuuka, Briny, Kyure e Karen Bachini. Com Jinki, damos continuidade à série de conteúdos especiais contando histórias sobre personalidades do cenário de esports.

Foto: JinkiWinkki/Reprodução - League of Legends
Foto: JinkiWinkki/Reprodução

Início e ascensão nas streams

A paulista tinha o desejo de atuar na área de comunicação, contudo, enfrentava dificuldade de conseguir trabalho no interior de São Paulo.

Gabriela começou a fazer lives enquanto fazia seu trabalho de conclusão de curso: "Eu estava fazendo TCC sobre representatividade negra no meio dos games há uns dois anos. Notei que não têm pessoas negras no meio das streams. Como eu estava começando a jogar League of Legends e estava muito viciada, comecei a pesquisar streamers negros de LoL, não achei nenhum, logo pensei que havia um problema".

As streams começaram a dar certo e eu comecei a ver como um trabalho, uma coisa que eu gosto, onde eu posso ser palhaça. Eu pretendo levar as streams para o resto da vida se der.

"Comecei a pesquisar mais a fundo por causa do TCC, achei o Wakanda Streamers e vi que tinham mais pessoas negras que streamavam. Até aí eu só queria chegar e entrevistar as pessoas, mas, não satisfeita, quis começar a fazer streams também.

Pensei: 'Eu gosto de LoL né, tenho um notebook que parece uma torradeira mas dá para streamar'. Simplesmente comecei assim: com uma pesquisa.

Fui gostando de fazer, ficava mais de 10 horas streamando, não parava porque eu estava gostando muito, mesmo com apenas uma pessoa só assistindo. Sempre gostei muito de me mostrar para os outros, de ser palhaça, e esse ano deu muito certo."

Foto: JinkiWinkki/Reprodução - League of Legends
Foto: JinkiWinkki/Reprodução

Inspirações

Antes de começar sua pesquisa, Jinki consumia streamers LGBTQIA+ como Samira Close, Nicky Mitrava e Eu Rebeca. Teve como uma grande inspiração a Samira Close e antes de começar a fazer transmissões ao vivo não esperava que se aproximaria de Nicky Mitrava como se aproximou - hoje ambas jogam juntas.

"Sempre consumi muito esse conteúdo LGBTQIA+ - até porque sou bissexual -, e aí sempre gostei dessas palhaçadas que elas faziam, sempre focadas no humor e não na gameplay. Isso me mostrou que eu não precisava ser boa nos jogos para ser streamer."

Reconhecimento

Jinki contou para redação do MGG Brasil como foi ter estourado no cenário de jogos em tão pouco tempo: "Fui crescendo aos pouquinhos. Fui postando alguns clipes da stream no Twitter e o pessoal me achava engraçadinha e me seguia. Teve uma compilação de clipes que eu postei no Twitter que do nada explodiu e pegou muitos espectadores. Até agora eu continuo crescendo".

Compilação de clipes de suas streams — Vídeo: JinkiWinkki/Reprodução

Com muito bom humor e demonstrando, de fato, incredulidade, Jinki não se imaginava na posição que se encontra agora, carregando mais de 23 mil seguidores no Twitter e mais de 32 mil na Twitch: "Nunca na vida eu imaginei isso. Eu fazia stream para uma pessoa - meu ex-namorado, ainda por cima - e muito do nada estourar? Pensei: 'Meu deus, o que é isso? O que está acontecendo?'. Achava que não era possível".

Hoje, Jinki se identifica muito com seu público e sempre pensa em seus espectadores na hora de produzir conteúdo: "Eu não fico só pensando em mim, em simplesmente querer jogar algo em stream e dane-se, eu sempre tento perguntar para eles também. Como a gente tem um gosto parecido de jogos, dá certo".

Posso ter estourado assim porque eu sou palhaça. Não sei porque as pessoas gostam tanto do humor que eu faço. As pessoas acham que eu sou engraçada, então acabou acontecendo.

Uma das Garotas Mágicas

Que hoje Jinki é uma Garota Mágica não é novidade para (quase) ninguém. O grupo é composto por Karen Bachini, Riyuuka, Briny, Kyure e claro, JinkiWinki. Ela revelou - com muito humor - como foi feito o convite para se juntar a elas:

"A Briny, como sempre gosta de um suspense, me chamou na DM falando que precisava falar comigo. Avisou que era uma reunião com ela e as Garotas Mágicas, pediu meu número e marcamos a reunião para o dia seguinte. Eu simplesmente não consegui dormir, a Briny ficou com esse suspense, eu achei que tinha feito alguma coisa errada e que todas elas estavam me odiando e eu seria cancelada na Internet. Na minha mente sempre vem o pior.

Chegou no dia seguinte, estavam todas elas reunidas e parecia uma reunião do Midsommar, aquele filme de terror, pensei que eu seria esculachada. Até que a Briny falou: ‘olha Jinki, eu e as meninas gostamos muito do seu trabalho e gostaríamos que você entrasse nas Garotas Mágicas’. Eu fiquei pasma, achando que elas estavam loucas. A Riyuuka perguntou se eu estava nervosa e se precisava de dez minutos, e é claro que eu precisava."

Nesses dez minutos eu estava pensando: ‘Mano, elas estão loucas. Eu sou bronze, as meninas tudo high elo e eu bronze afundada. E elas querendo que eu participe? Não, não é possível. E era sério, elas queriam que eu afundasse as Garotas Mágicas
Comunicado de Jinki sobre as Garotas Mágicas após sua estreia na Xisde — Arte: iitsriggs/Reprodução

"É muito incrível estar do lado delas, lógico que eu ainda tenho visão de fã, não como fã histérica. É uma relação próxima que a gente tem, mas eu ainda admiro muito os trabalhos delas, é incrível. Elas são muito companheiras, muito maravilhosas, sempre que uma precisa a outra está lá pra ajudar" contou ela sobre a experiência ao lado das Garotas Mágicas.

Representatividade e singularidade

Conversamos também sobre representatividade e vivências enquanto uma mulher streamer negra e bissexual. Jinki contou sobre sua criação, com seus pais dizendo que ela deveria ser três vezes melhor que uma pessoa branca, porque as coisas não seriam fáceis: "Você tem que cuidar bem cuidada, bem cheirosa, para as pessoas não terem nenhum motivo para falarem de você. Eu boto isso no meu trabalho também, até porque é algo que vem desde pequena".

Também tem a pressão estética da internet, onde eu não posso postar uma foto suavizando a minha pele porque senão começam a falar que eu sou a mais photoshopada e os haters caem em cima. Mas dane-se, eu continuo postando.
Foto: JinkiWinkki/Reprodução - League of Legends
Foto: JinkiWinkki/Reprodução

Ela nos revelou que recebe muitas mensagens de meninas negras dizendo que ela é uma inspiração e que nunca tinham encontrado uma mulher negra no meio das streams antes.

"Eu sempre fico muito emotiva respondendo essas pessoas, eu nunca imaginei que eu fosse ser a representatividade que eu sempre quis, que eu queria encontrar para o meu TCC, que eu queria ter como fosse melhor".

Ao lado das Garotas Mágicas, Jinki participou da divulgação do evento Congregação das Bruxas de League of Legends, perguntamos como foi perceber que estava em um projeto da Riot Games, ao que ela respondeu:

"Há uns oito nove meses eu estava streamando em uma mesa minúscula com um notebook em cima, e agora, do nada, eu estou trabalhando com a empresa do jogo que eu amo. Hoje mesmo eu estava refletindo sobre isso, quantas pessoas negras já tiveram essa oportunidade? Mulheres negras? Talvez eu esteja sendo a primeira como streamer."

Jinki durante a CCXP Worlds em dezembro de 2020 — Foto: JinkiWinkki/Reprodução - League of Legends
Jinki durante a CCXP Worlds em dezembro de 2020 — Foto: JinkiWinkki/Reprodução

Para as meninas negras que veem em Jinki uma representatividade e uma inspiração, a paulista falou sobre uma iniciativa que pretende realizar: "Tenho um projeto em mente de chamar meninas negras, fazer um duo com uma mulher negra diferente toda semana na minha stream. Assim, vou divulgar o trabalho dela também, mas confesso que está meio estagnado porque eu estou sem tempo. Mas eu quero muito fazer isso, pelo menos até o final do ano".

Com sua personalidade sem papas na língua, deixou um recado - no mínimo - comovente:

Não desistam dos seus sonhos. Vocês são incríveis, sempre vão ter pessoas querendo te colocar para baixo em relação à sua aparência. Vai ter gente querendo desdenhar de você ou dizer que você nunca vai ser ninguém na vida, que você só vai ser uma faxineira. Independente de todos os preconceitos que a gente sofre por parte da sociedade, não desista. Dê um tapa na cara da sociedade, lacre, acabe com racistas, quebre eles na porrada. Mentira, só processa todo mundo!

Infelizmente, Jinki já sofreu dois ataques de bots durante suas transmissões. A primeira vez foi enquanto jogava como Convidada Mágica com as Garotas Mágicas, quando sofreu uma onda de ataques racistas: "Fiquei muito triste e me desanimou, perdi o clima de jogar com as meninas e acabei ficando lá em um clima bem ruim. São coisas que infelizmente são inevitáveis, porque apesar da sociedade estar mudando - a passos de formiga -, as pessoas ainda não aceitam".

"Tem muito racista, uma hora ou outra eu teria, infelizmente, que enfrentar isso. Mas p** no c* deles e é sobre isso" completou a streamer, sem baixar a cabeça.

Passagem em grandes organizações dos esports

Gabriela já teve passagens por grandes organizações de esports do Brasil, como a Vorax, antes de se tornar Vorax Liberty: "Como streamer da Vorax foi muito legal, a galera me tratava muito bem. Eles sempre foram muito cuidadosos comigo, sempre se preocuparam ao extremo comigo. Foi maravilhoso, a Marina Leite (Sócia e diretora da Vorax Liberty) é super carinhosa, super atenciosa e babadeira".

Com a junção com a Havan Liberty, Jinki deixou a organização. Durante a entrevista, respondeu que acabou por ser demitida simultaneamente com a decisão de se desligar da organização: "Eles juntaram com a Havan e eu fiquei 'isso aí vai contra as coisas que eu sempre militei e sempre achei certo', então eu ia me demitir. Porém com a junção eles me demitiram".

Nossa entrevista foi realizada em 13 de agosto, nela Jinki manifestou que pretendia voltar a atuar como streamer de alguma organização: "Se alguém se interessar, eu gosto de estar em organizações, é sempre muito legal".

Não apenas, contou seus desejos - que naquele momento eram futuros -, dizendo que sua vontade era entrar em uma organização grande dos esportes. Felizmente, em 23 de agosto, Jinki foi anunciada como uma das influenciadoras da Xisde, organização criada por Luiz "Jesus" Fontes e Tom Toledo.

Quero ser indicada para algum prêmio, ser mais reconhecida, ter mais números, trazer mais representatividades, closes, barbarizações, coisas assim.

Experiências como influencer e a nova vida de burguesa (brincadeira)

Jinki contou que sua rotina mudou drasticamente: "Antes eu não fazia nada, nem trabalhava, só estudava. Ia para a faculdade à noite e acabava. Agora eu tenho uma agenda que não me permite parar, é muito louco e muito gostoso. Sempre quis ter uma vida assim, agitada por trabalho. Tenho que ficar viajando, gravando coisas. É legal pra caral***, fico muito feliz com isso".

Já tendo participado de eventos e feito parceria com diversas marcas, a melhor experiência de Jinki cenário foi justamente a sua primeira oportunidade de trabalho, no início de 2021.

"Eu ainda não havia estourado completamente, não tinha os mesmos números que tenho agora. Foi a oportunidade de ser uma das influenciadoras do campeonato da WESG, tive que viajar para o Rio de Janeiro e eu nunca tinha viajado de avião na minha vida.

Fiquei amedrontada porque eu sou do interior né, viajar de avião não é uma realidade aqui. Estava me sentindo uma burguesa, a Ana Hickmann.

Foi uma experiência bem legal, eu nunca vou esquecer, foi meu primeiro evento presencial. Eu trabalhei com a Nyvi Estephan, o que foi mais incrível ainda. Conheci o Felipe Castanhari e vi uma galera mais famosa da internet. Pensei: 'Caramba, irei trabalhar com esse pessoal. A mulher está um luxo'."

Anúncio dos influenciadores da WESG LATAM — Foto: WESG LATAM/Reprodução

Jinki contou sobre como se sente fazendo parcerias com diferentes marcas e literalmente resumiu em uma palavra: "chique".

Eu me sinto muito chique quando uma marca se lembra de mim e quer me enviar mimos. Nunca achei que eu estaria recebendo, na hora de gravar stories eu fico plena mas por dentro eu estou me sentindo a Boca Rosa.

Por último, mas não menos importante, Jinki deixou uma dica para aqueles que estão começando agora:

"Não desista. Vai ter gente querendo falar merda, querendo falar que você não é engraçada o suficiente ou que você joga mal. Na internet o que mais tem é gente querendo te criticar escondida por trás de fotos de anime. Não deixe isso te abalar, só vai e siga seus sonhos, não se importe com que os outros falem. Coloque o Raid Shield em sua stream para não receber ataques de bot."

Para acompanhar Jinki:

  • Twitch: jinkiwinkki
  • YouTube: jinkiwinkki
  • Twitter: @jinkiwinkki
  • Instagram: @jinkiwinkki
  • Contato: jinkiwinkki@gmail.com

Conheça outras personalidades dos esports:

Steph Vieira
"A stream é um espaço para misturar os universos que amo sem medo, no qual posso criar quadros, formatos e experimentar ideias sem medo de ser feliz."
Jéssica Liar
“Fotografar games era meu sonho e eu nem sabia que era, não sabia que eu precisava disso até fazer, realmente é algo que eu me identifico muito”

Falas de Jukes e Kami viram ilustrações de artista brasileira

Dois dos maiores streamers e influenciadores do Brasil viraram desenhos de uma artista brasileiras que eternizou grandes momentos

esports-lol

Mundial de LoL muda de sede e acontecerá na Europa

Originalmente, competição seria disputada na China pelo segundo ano consecutivo

Novas skins Pentakill são reveladas para Viego e membros originais no League of Legends

Visuais foram anunciados após anúncio oficial do terceiro álbum intitulado "Pentakill III: The Lost Chapter"

1
piter_skz há 3 semanas

Quando eu vi a jinki pela primeira vez foi no yt num vídeo abrindo orbes. Me incantei demais logo de cara pela beleza dela, depois comecei a rir muito das falas delas. Com certeza o humor dela é um dos pontos mais forte dela. Corri pra lives dela, pra ver se ela era realmente aquilo que eu morria de rir no YouTube e sim ela é tudo aquilo e mais um pouco. Por conta dela eu comecei a perceber o quanto de stremers negras faltam na comunidade dos games, me apaixonei mais ainda por essa luta dela. Continuo seguindo e acompanhando cada passo da jinkiwink, pois eu sei que ela tem um futuro brilhante pela frente.

Mais Reportagens

14:40 Arcane: Dubladores de Caitlyn, Jayce e Viktor não são os mesmos do LoL e fãs questionam
12:35 Clash tem modo "morte súbita" raramente visto; veja vídeo
12:25 Novas skins de Halloween são reveladas para Fiora, Nami, Poppy, Syndra e Yuumi
11:28 Atualização do cliente do LoL reduziu travamentos, uso de memória e CPU
09:45 Novas penalidades são aplicadas por abandono de partida no League of Legends
15:34 Saiba quais são os campeões que mais morrem no LoL
11:29 Faker conseguiu apenas um pentakill em toda sua carreira competitiva
14:00 Os 7 pro players mais "clutch" que brilham na desvantagem
10:00 Conceito de rework de Nocturne em LoL feito por fã tem até animações assustadoras
16:00 Esse Teemo foi o mestre dos patrulheiros ficando escondido em meio a cinco inimigos no LoL

Recomendados

Nicks e ranks da RED Canids no servidor da Europa
Diana e Leona e a representatividade lésbica em League of Legends
Universo alternativo: conheça Manoela “ManzMilk”, escritora de fanfics do CBLOL

Descubra guias

Ziggs: Runas, builds e guia do campeão do LoL para jogar como atirador
Guia de como jogar de Yuumi Suporte na 11ª temporada de League of Legends
Guia de como jogar de Zoe na rota do meio na 11ª temporada de League of Legends