Millenium / Artigos e reportagens de games /

Nobru, brTT, Nyvi e organizações publicam carta aberta contra federalização dos esports

Nobru, brTT, Nyvi e organizações publicam carta aberta contra federalização dos esports
0

Personalidade e empresas criticam em comunicado teor de projetos que desejam federalizar os esportes eletrônicos no Brasil

Nobru, brTT, Nyvi e organizações publicam carta aberta contra federalização dos esports

Diversas personalidades e organizações do meio dos esports, entre as quais Nobru, Nyvi Estephan, brTT, Cherrygumms, Baiano, Caju, CEROL e Jukes publicaram nesta terça-feira (10) uma carta pública contra a "federalização" dos esports no Brasil. Endereçado a deputados estaduais de Rio de Janeiro, Goiás, Distrito Federal e Minas Gerais, o documento, que também é assinado por equipes como Pain, FURIA, Vorax, Fluxo e Team One, o documento se posiciona contra projetos de lei que visam à regulamentação dos esports no Brasil.

Uma das principais críticas das personalidades, equipes, empresas e demais entidades ligadas aos esports diz respeito à falta de diálogo entre os parlamentares que propõem projetos de lei voltados à regulamentação dos esports e os profissionais e empresas que já atuam no meio e desejam participar do debate público acerca do tema.

Na carta, os membros signatários do documento ressaltam que todos os projetos recentemente propostos em Assembleias Legislativas estaduais são "clones" do PL 383/2017, que tem como o objetivo regular o esporte eletrônico em todo o território nacional, mas que encontra parado desde o fim de 2019.

As personalidades, empresas e organizações também pontuam que, diferentemente dos esportes tradicionais, os esportes eletrônicos são propriedades intelectuais de empresas e que, por isso, não precisariam passar por regulamentações, e frisa que a criação de federações poderiam inclusive afastar investimentos no meio..

Confira, a seguir, a íntegra dos pontos reivindicados no documento.

  1. As confederações e federações existentes no Brasil que se dizem representantes dos esportes eletrônicos brasileiros não nos representam de forma alguma. Não as reconhecemos como representantes dos esportes eletrônicos no país e nos opomos ao texto dos projetos de lei que as caracterizam desta forma.
  2. Os esportes eletrônicos brasileiros espelham a bem-sucedida organização do segmento em muitos outros países, a qual permite o seu desenvolvimento na ausência de regulamentação excessivamente onerosa.
  3. Os esportes eletrônicos existem em virtude de direitos de propriedade intelectual que permitem às publicadoras disponibilizar jogos para milhões de pessoas e proteger seu investimento.
  4. Contrariamente a esportes tradicionais que requerem uma padronização das diversas formas de se jogar o mesmo jogo, nos esportes eletrônicos as regras de jogo são definidas no momento da criação do jogo pelas publicadoras. Não há nos esportes eletrônicos a necessidade de entidades de administração do desporto que garantam regras comuns já que as publicadoras as garantem – e com sucesso.
  5. Os esportes eletrônicos fomentam, sem fazer uso de dinheiro público, o próprio segmento e contribuem para a formação e descoberta de novos talentos por meio de campeonatos inclusivos que envolvem comunidades, instituições de ensino e de pesquisa.
  6. O próprio segmento tem demonstrado pleno interesse em reforçar o papel dos esportes eletrônicos como ferramenta de transformação e socialização, focando na criação de oportunidades para jovens de todo o Brasil.
  7. Submeter os esportes eletrônicos ao sistema nacional de esportes e assim permitir qualquer controle do segmento por confederações, federações ou outras entidades associativas poderia:
  8. Esportes eletrônicos não constituem um esporte tradicional.

Lista de signatários

  • BBL Esports
  • Pain Gaming
  • Afrogames
  • W7M
  • Santos e-Sports
  • INTZ
  • FURIA
  • Ebrainz
  • Team One
  • 7WPlay
  • Mais Esports
  • Nyvi Estephan
  • Felipe "brTT" Gonçalves
  • Rafael "Rafifa" Salles Fortes
  • Nicolle "Cherrygumms" Merhy
  • Webedia
  • Gustavo "Baiano" Gomes
  • Lucas "CEROL" Lima
  • Bruno "Nobru" Goes
  • Fluxo Esports
  • Gamersclub
  • LnK Gaming
  • Vorax
  • MEC Inc.
  • Flavio "Jukes" Fernandes
  • Mario Marconini
personalidades

Jéssica Liar: conheça a fotógrafa e cinegrafista mais “cara-de-pau” dos games

“Fotografar games era meu sonho e eu nem sabia que era, não sabia que eu precisava disso até fazer, realmente é algo que eu me identifico muito”

personalidades

Para Ninja e Pokimane, cinema é "a cereja em cima do bolo" de suas carreiras

Os dois influenciadores fazem parte do elenco de Free Guy, novo filme protagonizado por Ryan Reynolds

esports-csgo

CS:GO: S1mple ganhará documentário produzido pela NaVi

"S1mple Formula" foi anunciado no dia que jogador ucraniano completou 5 anos na organização

0

Mais Reportagens

18:05 FIFA 22: Time da Semana tem Roberto Firmino e Gnabry como destaques
17:37 Relembre as campanhas de equipes brasileiras no Mundial de LoL
16:00 Twitch tinha lista para proteger grandes streamers de serem banidos
15:46 Fortnite e Duna: Crossover traz skins dos personagens de Timothee Chalamet e Zendaya
15:38 Tier List de melhores campeões de Wild Rift no patch 2.5
15:09 Valorant alcançou menor número de cheats da historia, segundo analista da Riot
15:05 Free Fire terá item oficial da LBFF 6, saiba como ganhar
14:42 CS:GO: Skin estimada em R$ 10 mil é vendida por apenas R$ 0,22
12:36 Overwatch: Cosplayer passa 250 horas construindo rifle de Widowmaker
11:40 Fallen lança primeira coleção oficial de roupas de CS:GO em parceria com a Valve

Recomendados

Fundadora do Joga Sapatão fala sobre importância do coletivo de streamers lésbicas
Afrogames e a luta coletiva de jovens negros por mais oportunidades nos games
Exposed nos esports: como denunciar e agir diante de casos de violência sexual

Descubra guias

Tier List de melhores campeões de Wild Rift no patch 2.5
Como chamar amigos de volta no Free Fire
Campeões, classes e origens de Bugigangas e Engenhocas, o Set 6 de TFT