Millenium / Artigos e reportagens de games /

Relembre novatos que já chegaram fazendo barulho nos esports

Relembre novatos que já chegaram fazendo barulho nos esports
0

Muitos dos maiores nomes dos esports hoje começaram a fazer estrago quando ainda eram menores de idade. Relembre os casos mais icônicos

Os esports são um um meio no qual atletas jovens costumam ser os principais destaques, mas alguns nomes são ainda mais fora da curva e conseguem figurar já entre os melhores do mundo quando são estudantes de ensino médio ou acabaram de completar a maioridade. Muitos deles não se dão por satisfeitos em serem prodígios e aprimoram seu jogo até os dias de hoje, mostrando que o auge de suas respectivas carreiras ainda pode estar por vir.

O MGG Brasil preparou uma lista de alguns dos atletas que desde novatos já chegaram surpreendendo o mundo por seu altíssimo nível de jogo e marcaram, ou ainda marcam, seu nome na história dos esports. E os exemplos sãos os mais diversos, presentes nos cenários de CS:GO, LoL, Dota 2, Rainbow Six Siege e jogos de luta. Confira.

Oleksandr "S1mple" Kostyliev (NaVi) - CS:GO

S1mple é destaque no CS:GO desde os seus primeiros anos no competitivo - Millenium
S1mple é destaque no CS:GO desde os seus primeiros anos no competitivo

Uma das maiores estrelas dos esports da atualidade, S1mple parece um veterano mesmo tendo apenas 23 anos de idade. O ucraniano da Natus Vincere é visto como um prodígio desde os tempos de HellRaisers, quando tinha apenas 16 anos. Em janeiro de 2016, S1mple foi contratado pela Team Liquid cercado de enormes expectativas e, mesmo com uma passagem que durou apenas sete meses, muito pela dificuldade do jogador se comunicar em inglês, foi vice-campeão de Major na ESL One Cologne 2016, quando a Cavalaria acabou derrotada pela SK Gaming na grande decisão.

Desde a saída da Team Liquid, S1mple se tornou a principal estrela da Natus Vincere e, mesmo sem conquistar um Major, acumulou diversos títulos importantes, jogadas espetaculares e foi eleito o melhor jogador de CS:GO do mundo em 2018 e o segundo melhor nas temporadas de 2019 e 2020, atrás apenas de um jogador que aparecerá a seguir nesta lista.

Mathieu "ZywOo" Herbaut (Team Vitality) - CS:GO

ZywOo foi eleito duas vezes melhor do mundo com apenas 20 anos - Millenium
ZywOo foi eleito duas vezes melhor do mundo com apenas 20 anos

A ascensão de ZywOo no CS:GO foi meteórica e começou quando jogador ainda tinha apenas 17 anos e foi contratado pela Team Vitlity, em agosto de 2018. Rapidamente, o francês se tornou a principal estrela da equipe e ajudou nas conquistas da DreamHack Open Atlanta. Em 2019, ZywOo assombrou o mundo ao praticamente "carregar" o time da Vitality nas conquistas cs_summit 4, da Esports Championship Series Season 7 e do EPICENTER 2019, além dos vices na ESL One Cologne e da DreamHack Masters Malmo.

No fim daquela temporada, superou nomes gigantes como S1mple e Dev1ce, campeão dos dois Majors de 2019 pela Astralis, e foi eleito o melhor jogador do mundo pela HLTV. Em 2020, em uma temporada marcada majoritariamente por torneios regionais disputados de forma online, o francês foi novamente o grande destaque da Vitality na edição europeia da Intel Extreme Masters XV e BLAST Premier: Fall 2020. No fim do ano, ZywOo novamente superou S1mple e Dev1ce e foi eleito pela segunda vez consecutiva o melhor jogador do mundo pela HLTV. E a história do francês parece estar apenas no começo.

Lincoln "fnx" Lau (MIBR) - CS 1.6

Fnx conquistou seu primeiro título mundial no CS com apenas 16 anos - Millenium
Fnx conquistou seu primeiro título mundial no CS com apenas 16 anos

Um prodígio em um time de prodígios. Assim pode ser definida a passagem de fnx pela MIBR nos tempos de CS 1.6. O jogador começou a se destacar na cena brasileira em 2004, quando tinha apenas 14 anos e defendia a Global Challengers. Em 2005, pela GameCrashers, faturou o título da ESWC Brasil e se classificou para o seu primeiro mundial.

O desempenho do jogador impressionou a MIBR, maior org do Brasil na ocasião, e em 2006 fnx se transferiu para a tag lendária. Lá, o jovem de 16 anos era o caçula de um time de jovens talentos como Cogu, Nak, KIKO e Bruno, e conquistou o primeiro mundial do Brasil no FPS da Valve: a ESWC 2006. Pela organização, fnx continuou conquistando grandes títulos nos anos seguintes, com destaque para a shgOpen 2007 e a DreamHack Winter 2007. Antes mesmo de completar a maioridade, fnx conquistou três dos títulos mais importantes do CS 1.6, e por isso aparece na nossa lista de jovens fizeram estrago já em seus primeiros anos no competitivo.

Anathan "ana" Pham (OG) - Dota 2

Ana conquistou seus dois primeiros títulos mundiais aos 18 e 19 anos - Millenium
Ana conquistou seus dois primeiros títulos mundiais aos 18 e 19 anos

Ana começou a destacar no cenário de Dota 2 no começo de 2016, quando tinha apenas 16 anos e atuou como substituto na Invictus Gaming. O jovem o australiano logo chamou a atenção da OG e se transferiu para a organização, uma das mais importantes do mundo, alguns meses depois. Em sua primeira passagem pela equipe, Ana foi peça fundamental nas conquistas do The Boston Major 2016 e do The Kiev Major 2017, duas etapas Tier 1 do Dota Pro Circuit. Em agosto de 2017, ele decide deixar a equipe para dar uma pausa na carreira

Após rápidas passagens por Team World e Echo International, Ana retornou à OG em junho de 2018, e sua segunda passagem foi ainda mais histórica. Aos 18 anos, o australiano conquistou o título do The International 2018 e foi um dos principais destaques daquele torneio. Em 2019, Ana e a OG fizeram algo inédito no cenário de Dota 2 e faturaram mais uma vez o The International, fazendo da organização a unica bicampeã mundial na história do MOBA da Valve. Aos 21 anos, Ana ainda parece estar apenas no começo de uma carreira extremamente vitoriosa.

Lee "Faker" Sang-hyeok (T1) - League of Legends

Faker conquistou três mundiais de LoL entre os 17 e 20 anos. Precisa dizer mais alguma coisa? - Millenium
Faker conquistou três mundiais de LoL entre os 17 e 20 anos. Precisa dizer mais alguma coisa?

A maior estrela da história do League of Legends começou a escrever seu nome no MOBA do Valve muito antes de completar a maioridade. Jogador profissional desde os 16 anos, Faker é o melhor exemplo de como já entrar no cenário competitivo de um jogo pronto para deixar seu nome gravado na eternidade. Contratado em fevereiro de 2013 pela SK Telecom T1, o meio sul-coreano faturou logo em sua primeira temporada os títulos do Champions 2013 Summer, do Korea Regional Finals 2013 e do Worlds 2013.

Em um time inteiramente formado por jogadores jovens, Faker era o caçula da turma no primeiro de seus três títulos mundiais, e aos 17 anos se tornou o principal jogador e referência técnica da equipe por sua mecânica apurada e inteligência acima da média. Em um time de grandes jogadores, Faker era a principal estrela mesmo o mais jovem e inexperiente do grupo.

Dois anos depois, com apenas 19 anos, o meio sul-coreano conquistou o Worlds 2015, e aos 20, o Worlds 2016, tornando-se rapidamente o maior ícone do esport mais popular do mundo. Hoje, aos 24 anos, Faker não vive mais o melhor momento da carreira, mas os três títulos mundiais e impressionante 9 títulos de LCK colocam o jogador como o maior nome da história do LoL.

Niclas "Pengu" Mouritzen (G2) - Rainbow Six Siege

Pengu conquistou sete títulos Tier 1 de Rainbow Six num intervalo de três anos - Millenium
Pengu conquistou sete títulos Tier 1 de Rainbow Six num intervalo de três anos

Considerado o maior jogador de Rainbow Six Siege da história, Pengu começou a traçar uma trajetória extremamente vitoriosa no FPS tático da Ubisoft no começo de 2016, quando tinha apenas 18 anos. Estrela da PENTA Sports, o dinamarquês conquistou em seu primeiro ano no competitivo os títulos da Pro League europeia e da Pro League Global. Em 2017, foram nada menos que oito títulos, com destaque para duas edições mundiais da Pro League.

Contudo, foi no ano de 2018 que Pengu estabeleceu uma hegemonia quase total no cenário de R6, conquistando o Six Invitational 2018, ainda como jogador da PENTA, e o Six Major Paris 2018, já pela G2, unificando os títulos dos campeonatos mais importantes do mundo da modalidade. A temporada ainda seria marcada pela conquista de outros 7 títulos, com destaque para a Pro League Season 8, disputada no Rio de Janeiro e a DreamHack Winter 2018, além de duas edições europeias da Pro League.

Em 2019, Pengu conquistou com a G2 o Six Invitational 2019, consolidando seu nome como o maior jogador do cenário de Rainbow Six. Considerando somente campeonatos internacionais Tier 1, foram sete títulos conquistados num intervalo de três anos, ao lado de jogadores como Goga, Fabian, Joonas e Kanto. Naquele mesmo ano, Pengu e a G2 ainda ficariam com vice-campeonato do Six Major Raleigh, mas aquele campeonato também marcaria o fim de uma era no R6.

Antes de anunciar sua aposentadoria no começo de 2021, com apenas 23 anos, Pengu ainda faturou um último grande título: a Liga Europeia de R6, após uma série emocionante contra BDS Esports e que terminou com vitória de 3 a 2 para a G2. Mesmo fora do competitivo, o dinamarquês sempre será lembrado como a principal estrela daquele que ainda é considerado o melhor time de R6 da história.

Victor "Punk" Woodley (Panda) - Street Fighter V

Punk venceu 10 títulos em sua primeira temporada completa como pro player de Street Fighter V - Millenium
Punk venceu 10 títulos em sua primeira temporada completa como pro player de Street Fighter V

Considerado o maior jogador de Street Fighter V dos Estados Unidos e também um dos melhores do mundo, Punk começou a trilhar uma carreira de enorme sucesso do game de luta da Capcom em 2016, quando tinha apenas 18 anos. Na ocasião, Punk ficou em terceiro lugar na seletiva americana para a Capcom Cup e faturou o título do Northeast Championship 17, ao bater o dominicano MenaRD na grande final.

Em 2017, Punk iria ainda mais longe e faria nada menos do que 14 finais na temporada, vencendo simplesmente 10 delas. O título de maior destaque foi da ELEAGUE Invitational 2017, torneio que reuniu somente os melhores jogadores do mundo e no qual Punk superou todos os seus adversários, conquistando o prêmio de US$ 150 mil. Naquela mesma temporada, Punk fez a final da EVO e acabou derrotado na grande decisão por Tokido. Ainda assim, o desempenho do jogador foi extremamente elogiado por analistas e rivais, e sua Karin faria enorme estrago nas temporadas seguintes.

Em 2018, Punk conquistou mais 6 títulos em Street Fighter V, e em 2019, outros 8. No fim de 2019, Punk acabou derrotado pelo compatriota e rival Derek "iDom" Ruffin na grande final da Capcom Cup. Ainda que não tenha uma EVO ou Capcom Cup em seu currículo, Punk é apontado por analistas como o segundo melhor jogador Street Fighter V do mundo, atrás apenas do japonês Hajime "Tokido" Taniguchi, e sua enorme regularidade em eventos Premier da Capcom Pro Tour é um dos principais argumentos a favor do americano. Como tem apenas 22 anos, o jogador ainda deve fazer barulho na cena por muitos anos.

Dominique "SonicFox" McLean (Evil Geniuses) - Mortal Kombat X e 11,e Injustice 1 e 2 e Dragon Ball FighterZ

SonicFox conquistou seu primeiro título de EVO aos 16 anos de idade - Millenium
SonicFox conquistou seu primeiro título de EVO aos 16 anos de idade

Dominique "SonicFox" McLean se tornou uma estrela não apenas dos jogos de luta, mas dos esports de modo geral desde muito, muito cedo. Em 2014, quando tinha apenas 16 anos, McLean conquistou seu primeiro título de EVO, o maior evento de jogos de luta do mundo, ao vencer o torneio de Injustice: Gods Among Us. E, por incrível que pareça, SonicFox já chegara ao torneio como grande favorito, pois vinha dos títulos do Final Round XVII e Community Effort Orlando, dois dos maiores eventos de jogos de luta dos Estados Unidos.

O domínio de Dominique se tornou ainda maior nos anos seguintes, desta vez em Mortal Kombat X, jogo no qual conquistou em 2015 os títulos da EVO, ESL MKX Pro League, ESL Mortal Kombat Fatal X 8 e Defend The North. Em 2016, SonicFox conquistou mais um título de EVO, o terceiro de sua carreira, a segunda e a terceira temporada da ESL Pro League de MKX, faturando US$ 135 mil somente nesses dois torneios, a Community Effort Orlando e Kumite in Tenessee. Em toda a sua trajetória em MKX, McLean nunca terminou um torneio abaixo do top 4.

Com o lançamento de Injustice 2, Dominique continuou impressionando com seu desempenho, e venceu nada menos do que 15 dos 21 torneios que disputou entre 2017 e 2018, com destaque para o bicampeonato da Injustice Pro Series Grand Finals, que reunia ao fim da temporada somente os jogadores melhores ranqueados do circuito. Somente com esses dois títulos, foram US$ 160 mil em premiação. SonicFox ainda faturou os títulos de eventos como o Combo Breaker 2017, viennality 2k17, Absolute Battle 8, East Coast Throwown 2017 e SoCal Regionals 2018, todos eventos Tier 1 do circuito de Injustice.

Também em 2018, quando tinha apenas 19 anos, SonicFox surpreenderia o mundo novamente ao mergulhar de cabeça no competitivo de Dragon Ball FighterZ, um jogo com mecânicas totalmente diferentes dos jogos da NetherRealm, como Mortal Kombat e Injustice, e mais uma vez chegou ao topo. Na EVO de DBFZ, jogo que teve o maior número de inscritos e audiência daquela edição do evento, Dominique superou na final o japonês Goichi "GO1" Kishida, com quem disputava também o status de melhor do mundo, e conquistou a quarta EVO da carreira. Naquela temporada, foram nada menos que 9 títulos e outros 3 vices.

Em 2019, com o lançamento de Mortal Kombat 11, SonicFox diminuiu um pouco de sua dedicação ao competitivo de DBFZ para focar em sua franquia favorita, mas ainda conquistou outros cinco títulos e dois vices, incluindo o torneio da EVO, no qual GO1 conseguiu sua revanche. Em todos os torneios de DBFZ daquele ano, McLean terminou pelo menos dentro do top 6.

Em Mortal Kombat 11, SonicFox disputou 10 torneios em 2019, e chegou à final em todos eles, vencendo 5 e perdendo outras 5. Entre os títulos, destacam-se a EVO, a quinta na carreira de Dominique, o Summit of Time, a Community Effort Orlando e o East Coast Throwdown.

Em 2020, foi a vez de McLean conquistar o Final Kombat, torneio que reunia os jogadores melhores ranqueados do circuito Pro Kompetition, mas a pandemia de Covid-19 interrompeu a rotina de torneios. Desde então, SonicFox disputou apenas um evento presencial, a WePlay Ultimate Fighting League, torneio que reuniu em março de 2021, na Ucrânia, vários dos melhores jogadores do mundo, e mais uma vez Dominique saiu com o título.

Não-binário e ativista dos direitos LBTQIA+, McLean tem um currículo impressionante de títulos com apenas 23 anos, e tudo indica que seu reinado nos fighting games ainda durará muito tempo.

esports

Como a comunidade brasileira de fighting games se mantém ativa em meio à pandemia?

Em entrevista ao MGG Brasil, Buiu, Ryoran e Zate relatam suas experiências como organizadores de torneios de jogos de luta

esports-csgo

"O time que eu estiver será o melhor" e outras frases marcantes da história do CS

Fnx, Gaules, Paulo Velloso e HeatoN foram responsáveis por frases que não devem ser jamais esquecidas na história do CS:GO

Jogadores e times que colocaram seus países no mapa dos esports

MIBR na ESWC 2006, MenaRD na Capcom Cup e Arslan Ash nas EVOs Japão e EUA de Tekken 7 estão entre as grandes surpresas da história do competitivo

0

Mais Reportagens

23:53 Tesouro de Beneviento Resident Evil Village: Como derrotar o gigante
21:52 Chave de Luthier RE8: onde encontrá-la?
20:28 Como abrir o baú do Campo Cerimonial de Resident Evil Village?
19:56 Free Fire: Cerol, Weedzão e mais participam de torneio de influenciadores
19:44 Sabre de Luz de Resident Evil Village: Como desbloquear o easter egg de Star Wars
18:59 Armas de Resident Evil Village: Sabre de Luz, magnum e onde encontrar todas
18:36 Final do Free Fire World Series 2021 acontece em 30 de maio
17:23 MIBR Day arrecada mais de R$ 60 mil em doações para combate ao Covid-19
14:22 Yudi Tamashiro é o novo apresentador do Rainbow Six Esports Brasil
13:54 MSI 2021: Pain perde para MAD Lions e já está eliminada do torneio

Recomendados

Qual é o futuro das loot boxes no Brasil?
Afrogames e a luta coletiva de jovens negros por mais oportunidades nos games
Exposed nos esports: como denunciar e agir diante de casos de violência sexual

Descubra guias

Quando a MIBR joga?
Quando a FURIA joga?
Agenda completa de quando o FalleN joga pela Team Liquid