Millenium / Artigos e reportagens de games / Counter-Strike: Global Offensive /

Sete jogadoras para ficar de olho no cenário feminino de CS:GO e Valorant

Sete jogadoras para ficar de olho no cenário feminino de CS:GO e Valorant
0

As competições femininas seguem em constante ascensão no Brasil e novas estrelas não param de surgir - confira aqui as pro players que você não pode deixar de acompanhar para ver jogadas incríveis

Sete jogadoras para ficar de olho no cenário feminino de CS:GO e Valorant

O cenário feminino de esportes eletrônicos segue em constante ascensão no Brasil, especialmente quando falamos de jogos FPS, antes vistos erroneamente como "coisa de menino". Em Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) e em Valorant, a competitividade é cada vez maior e estrelas não param de aparecer. Nesta matéria citaremos sete jogadoras que você precisa ficar de olho nestes dois cenários para acompanhar de perto.

Shizue e shyz, a dupla da Fire Angels de Valorant

A Fire Angels foi a grande campeã do Girl Pwr Valorant considerado um dos maiores torneios femininos do shooter da Riot Games já realizado no Brasil. A equipe chegou na competição badalada após vencer o time masculino da Black Dragons e confirmou o favoritismo dentro dos servidores. Dito isto, não seria nada exagerado dizer que as cinco players do time possuem grande potencial.

No entanto, foram Carolina "Shizue" Miranda e Luisa "shyz" Minarelli que se destacaram nos números. A primeira com o melhor KDA de toda a competição - 1.69 com 114 abates, 91 mortes e 40 assistências - e a segunda com a maior quantidade de kills dentre as pro players da Fire Angels que disputaram o torneio, mesmo com a própria Shizue e Celine "celinett" Borges também se mostrando killers natas.

Outro fato interessante é a versatilidade que Shizue mostra com diferentes agentes, enquanto shyz dá aula de Raze, que é uma das personagens que mais exigem que o jogador saia da zona de conforto e crie jogadas diferentes.

Shizue - Counter-Strike: Global Offensive
Shizue
Shyz - Counter-Strike: Global Offensive
Shyz

Bastarda e nanah, a dupla da Meta Gaming de Valorant

Outra equipe que teve grande destaque no Girl Pwr foi a Meta Gaming. Chegando na competição como uma das favoritas ao título, as meninas da Meta chegaram à final e foram vice-campeãs.

Durante os jogos disputados, foram Paula "Bastarda" Estela e Nathalia "nanah" Hammoud que tiveram grande destaque. A jogadora chilena conquistou 145 kills no torneio da Gaming Culture e se tornou a jogadora com mais eliminações no torneio. Já nanah trouxe toda a experiência que adquiriu no CS:GO para também chegar a números impressionantes, com 113 kills, 45 assistências e o KDA de 1.56 - todas as estatísticas entre as melhores do campeonato.

Ambas são entry fraggers natas e dividem os agentes desta natureza para atuarem juntas. Bastarda gosta mais de criar jogadas com Jett e Raze, enquanto nanah se deu melhor com Phoenix e Reyna, provavelmente por conta da jogabilidade que herdou do FPS da Valve.

Bastarda - Counter-Strike: Global Offensive
Bastarda
Nanah - Counter-Strike: Global Offensive
Nanah

Daiki, entre o Valorant e o CS:GO

Natália "daiki" Vilela é a caçula desta lista e possui apenas 16 anos de idade. A promessa mostrou que pode competir em alto nível tanto no Valorant quanto no CS:GO e já desperta a atenção de grandes times. É provável que em breve ela tenha que escolher focar em apenas um dos dois jogos.

No Valorant ela joga pela Number Six e também participou do Girl Pwr, com a equipe chegando à semifinal e ficando em 3º/4º lugar. No Counter-Strike ela chamou atenção de ninguém menos do que Gabriel "FalleN" Toledo, que constantemente a chama para jogar durante suas transmissões.

Daiki - Counter-Strike: Global Offensive
Daiki

O retorno de AMD

Veterana do CS:GO, a carioca Amanda "AMD" Abreu já passou por grandes organizações como Team One, BootKamp, Vivo Keyd, Black Dragons e Alientech. Ela ficou afastada do competitivo como jogadora por cerca de um ano e agora está de volta em um time ainda não anunciado oficialmente. De acordo com nossa apuração, a Soberano deve ser o palco de volta da pro player.

Se você gosta de assistir a snipers jogando, a AWP é a maior especialidade de AMD. Mesmo assim, é na Glock que o rosto dela ficou estampado para sempre na skin Queen Bullet.

AMD - Counter-Strike: Global Offensive
AMD

Bizinha, a fera adormecida

Bruna "bizinha" Marvila é considerada a melhor jogadora de CS:GO do Brasil há anos. Não à toa, já foi campeã de tudo que tem direito no país - de Liga Feminina e Gamers Club Masters até Brasil Game Show e qualificatórias internacionais. Fora do Brasil ela ainda não conseguiu vencer um campeonato, mas foi com ela que a Vivo Keyd fez a melhor campanha feminina brasileira em um torneio internacional do Global Offensive, ao ficar em 4º lugar da Intel Challenge Katowice 2018.

Recentemente, bizinha deixou o time titular da FURIA feminina por opção própria e por enquanto não está competindo oficialmente. Ainda assim, por ser considerada a melhor jogadora que já passou por este cenário, os olhares não podem sair dela de maneira alguma. A fera está adormecida, mas pode acordar a qualquer momento.

Inclusive, a Gamers Club Masters Feminina da qual bizinha foi campeã foi uma iniciativa da plataforma de campeonatos com a Dell para fomentar e apoiar a jornada profissional das jogadoras dentro do cenário de CS:GO, algo que a marca de notebooks e periféricos tomou como missão para ajudar na igualdade de gênero nos esports, utilizando de suas tecnologias e dados para ser uma força positiva no cenário.

Bizinha - Counter-Strike: Global Offensive
Bizinha

Esta matéria é um oferecimento Dell Technologies, que apresenta um portfólio completo para o público gamer com a linha G Series de notebooks, projetados com design fino para experiência de jogo imersiva, além de periféricos para complementar a experiência dos jogadores

Fonte da imagem de capa: dailyesports

esports

Sim, nós jogamos: Mulheres contam sobre sua relação com videogames em documentário

Melany, Cherna, Marina, Victoria, Carol e Eliana são apaixonadas por games

esports

Mudando o jogo: Por que a consolidação das mulheres nos esports é tão difícil?

Especialistas e pro players discutem a presença de mulheres cis e trans nos esports

0

Mais Reportagens

16:00 Jogadores e times que colocaram seus países no mapa dos esports
20:11 Da perda dos pais ao domínio no Brasil e ida ao NA: a ascensão de biguzera
12:49 CS:GO: Campeão mundial em 2018, Tarik vai para o banco da Evil Geniuses
11:51 Major de CS:GO: CBCS sediará dois eventos RMR da América do Sul
15:27 CS:GO: v$m poderá disputar Majors e RMRs após Valve mudar regras sobre banimento
15:47 FURIA vence MIBR, mas jogadores lamentam estreia contra brasileiros
15:10 FURIA elimina MIBR e avança na BLAST Premier Spring Showdown 2021
17:47 "Derrota decepcionante", diz EliGE após eliminação da Liquid
17:22 Aim Lab: Como usar para treinar mira no Valorant, CS:GO e outros jogos de tiro
16:23 Liquid perde para Dignitas e é eliminada da BLAST Showdown 2021

Recomendados

Aim Lab: Como usar para treinar mira no Valorant, CS:GO e outros jogos de tiro
"O time que eu estiver será o melhor" e outras frases marcantes da história do CS
Sete jogadoras para ficar de olho no cenário feminino de CS:GO e Valorant

Descubra guias

Quando a MIBR joga?
Agenda completa de quando o FalleN joga pela Team Liquid
Quando a FURIA joga?