Millenium / Artigos e reportagens de games /

Diablo Immortal: O que achamos do “Diablo Mobile”

Diablo Immortal: O que achamos do “Diablo Mobile”
0

Jogamos a versão alpha do novo título da icônica franquia da Blizzard, exclusivo para dispositivos móveis - veja o que achamos e o que esperar do game

Diablo Immortal: O que achamos do “Diablo Mobile”

Diablo Immortal - anunciado durante a Blizzcon 2018 - será a primeira investida da Blizzard com a icônica franquia nos dispositivos móveis. O MGG Brasil jogou a versão alpha do game, que ainda não tem data de lançamento, para testá-lo em primeira mão. Aqui você encontra nossas impressões e o que esperar deste título.

Enredo inédito

Diablo Immortal se passa entre os acontecimentos de Diablo 2 e Diablo 3, depois da destruição da Worldstone pelas mãos do arcanjo da justiça Tyrael, mas antes do surgimento do Prime Evil Diablo de Diablo 3.

Isso quer dizer que o jogador não só experimentará uma rota alternativa de aventura com acontecimentos inéditos, mas também encontrará com personagens conhecidos da franquia como o famoso Deckard Cain (morto durante os acontecimentos de Diablo 3) muito bem visto por fãs da franquia, ao mesmo tempo que apresenta essas figuras de forma natural para novatos.

Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução

A história, até o ponto em que é possível progredir no alpha, é bem apresentada por meios de vídeos cinematográficos com a popular arte da franquia, além de todos os diálogos serem dublados e até NPCs falarem com o personagem, o que foge do padrão de jogos mobile nos quais há a predominância de apenas textos na tela.

Jogabilidade

O jogo traz a já conhecida câmera isométrica do estilo Diablo - o jogador controla o personagem por meio de um analógico na tela, assim como o ataque padrão e quatro habilidades. Controlar o game dessa maneira não é novidade, visto que Diablo 3 está disponível também para consoles e segue este esquema.

É mantida sempre conexão à internet para jogar Diablo Immortal e como os servidores disponíveis para a versão alpha parecem estar um pouco distantes, um pouco de atraso nas respostas foi notado, mas nem nesta situação se sente qualquer desconforto.

Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução

Enfrentar as hordas de inimigos em qualquer lugar e a qualquer momento com os controles oferecidos nos dispositivos móveis é confortável e cômodo, sem deixar nada a desejar em relação às versões de PC ou consoles, porém, existem os que prefiram suportes para controles de terceiros, que ainda não está disponível.

Progressão de personagem e jogador

Há diversos tipos de progressão em Diablo Immortal. Como classes disponíveis para escolha estão Bárbaro, Mago, Monge e Caçador de Demônios, cada um com suas já tradicionais armas, o inventário funciona de maneira semelhante a outros títulos da franquia e existe até uma opção de dividir a tela entre game e mochila para trocar de itens rapidamente caso o jogador deseje.

Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução

As novidades ficam nas mãos de alguns recursos inéditos que também fortalecem o personagem, gems e joias comuns servem para o mesmo que runas ou outros itens do tipo - dar propriedades inéditas aos itens dos jogadores - e são obtidas facilmente ao jogar.

Já charms são usados para alterar atributos, sacrificar um em prol do outro ou garantir bônus específicos, feitos propriamente para níveis mais altos e atividades mais exigentes. Diablo Immortal contará com diversas atividades exclusivas de multijogador, como masmorras de MMOs, talvez onde tais propriedades sejam mais aproveitadas.

Visual

Tudo isso é embalado em um visual surpreendente para os padrões de jogos mobile, inclusive com uma opção para alta quantidade de quadros por segundo.

Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução

Este diferencial, porém, pode se tornar também um revés, uma vez que faz o jogo ser extremamente exigente em questões de hardware. Jogamos em um iPhone SE (2020), portanto não houve problemas para jogar e o aparelho sequer chegou a esquentar, mas este é um dispositivo novo e, no caso do iOS, Diablo Immortal requer iPhone 8 ou superior para funcionar.

Microtransações

Diablo Immortal será gratuito para jogar, portanto, naturalmente microtransações estarão inclusas, afinal, o retorno deve vir de algum lugar. No alpha, são três maneiras de investir no jogo: um item que gera variantes no modo de jogo Elder Rift e garante recompensas extras (Legendary Crest), Reforge Stone para aprimorar equipamentos, e Platinum, um tipo de moeda diferente.

Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium
Imagem: Blizzard/Reprodução - Millenium

Há também dois passes de batalha, um gratuito e outro pago, ambos garantem itens exclusivos e auxiliam no progresso, porém, nenhuma compra pareceu influenciar tanto na experiência de jogo e nada faz sentir que há benefícios expressivos para quem decidir investir no jogo.

Conclusão

Diablo Immortal não é só um porte para dispositivos móveis. É um novo jogo da franquia feito especialmente para celulares e cumpre a promessa de colocar a experiência de Diablo na palma das mãos. Novatos poderão conhecer Sanctuary sem se sentirem sobrecarregados de informações, assim como fãs e veteranos terão uma nova história promissora e mecânicas para experimentar.

O sentimento que fica após jogar boas horas na versão alpha do game é que mal comecei uma jornada longa. Ao ver a parte disponível do mapa do game, é possível supor que será um jogo que demandará tempo para ser concluído, mas a experiência é agradável e poder jogar a qualquer momento e em qualquer lugar é um motivo a mais para nada parecer cansativo.

Tomando como referência o último título da franquia - Diablo 3 - o visual é impressionante e também serve como um ponto positivo, porém, este pode se tornar também o maior ponto negativo do jogo, afinal, mesmo a Blizzard comentando que até o lançamento tudo será feito para que o game rode na maior quantidade de aparelhos possível, o jogo pode acabar sendo exigente demais, o que limita seu público, por mais que os smartphones sejam cada vez mais poderosos por preços cada vez mais baixos.

esports

Blizzard no Brasil: 10 anos de jogos e competições

Relembre a história da empresa favorita de muitos gamers

0

Mais Reportagens

21:14 Como ficar rico rapidamente em Resident Evil Village
20:50 Troféus de Resident Evil Village: a lista completa
20:39 Labirinto de Dimitrescu Resident Evil Village: Como completá-lo, localização da bola
20:16 Como derrotar Lady Dimitrescu em Resident Evil Village?
20:04 O mapa do tesouro do Castelo Dimitrescu
19:42 CS:GO: FURIA perde para NaVi e é eliminada da DremHack Masters Spring
19:08 Valorant: FURIA elimina Ingaming e segue viva no VCT Challengers Finals
18:48 Casa da Chaminé Vermelha Resident Evil Village: Onde achar?
18:07 MSI 2021: "Não podemos nos abater com essa derrota", diz Robo
17:19 Valorant: Havan Liberty elimina Gamelanders e avança no VCT Challengers Finals

Recomendados

Qual é o futuro das loot boxes no Brasil?
Afrogames e a luta coletiva de jovens negros por mais oportunidades nos games
Exposed nos esports: como denunciar e agir diante de casos de violência sexual

Descubra guias

Quando a FURIA joga?
Agenda completa de quando o FalleN joga pela Team Liquid