Menu
Millenium / Artigos e reportagens de games / Overwatch /

Blizzard no Brasil: 10 anos de jogos e competições

Blizzard no Brasil: 10 anos de jogos e competições
0

Relembre a história da empresa favorita de muitos gamers

Blizzard no Brasil: 10 anos de jogos e competições

O ano de 2020 é especial para fãs brasileiros da Blizzard, afinal, é neste ano que a empresa completa dez anos de atividade no Brasil, colecionando jogadores apaixonados por todos os seus títulos, seja Overwatch, World of Warcraft, StarCraft, Diablo, Heroes of the Storm ou Hearthstone. Relembre aqui a história da organização no país desde os primórdios dos games já citados até a sua presença atual no mercado.

O lançamento de StarCraft II

O começo da história da Blizzard no Brasil está diretamente entrelaçado ao lançamento de StarCraft II: Wings of Liberty. O RTS foi o primeiro lançamento simultâneo de um jogo da empresa, ou seja, primeira vez em que o Brasil recebeu um novo título da Blizzard ao mesmo tempo que o restante do mundo.

Isso aconteceu em 27 de julho de 2010, quando o título chegou às lojas pelo preço de R$ 50 e marcou um dos primeiros grandes contatos da empresa com a comunidade brasileira.

Como lembra Guido Alves, head de eports da Blizzard para a América Latina, “fizemos evento de lançamento, ativações, contamos com participação de membros da comunidade que já se interessavam pelo jogo e vimos muitos outros surgirem neste momento”.

Mais do que iniciar um novo capítulo para os jogos no país, o começo das atividades da Blizzard no Brasil também ajudou a alavancar a criação de conteúdo, afinal, alguns grandes nomes no cenário hoje começaram suas aventuras com títulos da empresa, principalmente Starcraft, como é o caso de Leon Martins, do canal Coisa de Nerd no YouTube (hoje com 10,5 milhões de seguidores na plataforma) e Diniz "Gruntar" Albieri, atual membro da equipe de casters do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL).

O impacto da chegada de um dos protagonistas deste ambiente chegar ao Brasil foi notável. Exatamente por isso, não demorou muito para que uma comunidade local se formasse e fosse o começo para muitos jogadores brasileiros que brilharam em palcos de competições internacionais.

World of Warcraft e a criação da Copa América

Já no ano seguinte, outra novidade chegou para o público brasileiro: World of Warcraft totalmente em português, com mais de quatro milhões de palavras traduzidas e 200 horas de áudio completamente localizado. O MMO mais jogado do mundo agora estava totalmente acessível ao público brasileiro, com transações em moeda local e suporte local, reforçando ainda mais a atividade da Blizzard no país.

Os anos seguintes trouxeram ainda mais glória para a Blizzard, com outro lançamento simultâneo, no caso, de Diablo 3 em maio de 2012, que foi também o primeiro ano do World Championship, liga mundial de StarCraft II que contou com vaga para a América do Sul. Na ocasião, houve um representante brasileiro: Carlos Leonardo Cruz, ou “Levin”.

Logo depois veio a primeira expansão de StarCraft II, intitulada Heart of the Swarm, em março de 2013 e foi aí que o cenário de esports local teve o primeiro relance de uma nova iniciativa para alavancar o competitivo no Brasil.

Em junho de 2013 a América Latina recebeu sua própria competição de StarCraft II - a Copa América, série de torneios que colocariam os melhores da região para disputar em final presencial pelo título de melhor da região. Pela facilidade oferecida por meio das qualificatórias, o Brasil foi em peso para a disputa, mas apenas um restou para a decisão, sediada em Buenos Aires, Argentina: o jogador de Zerg Renan “Tunico” Guilhem.

Com o decorrer dos anos seguintes e o lançamentos de novos títulos, como Hearthstone em 2014 e Heroes of the Storm em 2015, a Copa América se tornou a principal competição para o público brasileiro de jogos da Blizzard. Em 2016 já eram promovidas competições importantes de HoTS, HS, WoW e StarCraft II.

“A Copa América surgiu com o objetivo de promover acessibilidade, oferecer um torneio que qualquer um pudesse participar e começar a disputar, dessa maneira, podendo ansiar por voos maiores”, conta Alves, citando nomes de destaque da Copa América que, por tal exposição, tiveram oportunidades em cenário internacional, como Diego "Kelazhur" Schwimer, Lucas “Rase” Guerra e Rodrigo "Perna" Castro.

Além de ser o maior palco local para as competições, a Copa América também serviu de holofotes para muitos nomes hoje populares no cenário, como o já citado Gruntar, Thauê Neves, caster e apresentador que já trabalhou com diversos games da empresa e outros, entre eles CS:GO e PUBG, e Fernanda “Nanda” Kruschewsky, que participou como caster dos torneios de WoW e hoje é streamer da Twitch.

"Temos essa capacidade de aglutinar esses indivíduos e oferecer um ambiente no qual eles podem mesmo se desenvolver e assim adquirimos essa conexão forte com as pessoas e as pessoas com os jogos”, complementa Alves.

Overwatch, o mundo precisa de heróis

Outro importante capítulo na história da Blizzard começou em 2016 com o lançamento de sua nova propriedade intelectual, Overwatch. O FPS da empresa conquistou imediatamente grande parcela dos jogadores e se tornou um dos mais amados da empresa, seja por seu visual ou jogabilidade amigável ou pelo fato de ser o primeiro game da Blizzard lançado juntamente para consoles.

Em um mês, já eram mais de 10 milhões de jogadores e diversos torneios sediados pelo mundo, o que fez a empresa dar atenção ao game e em seu primeiro ano de vida promover um evento global na BlizzCon, convenção anual da Blizzard: a Copa do Mundo de Overwatch.

A primeira Copa mostrou o que o competitivo de Overwatch teria a oferecer com um público expressivo, estratégias criativas e uma dinâmica válida de campeonato, assim fazendo diversas organizações explorarem o game no ano seguinte, inclusive as brasileiras.

No mesmo ano, a empresa anunciou a iniciativa Overwatch League, uma competição na época obscura, porém expressivamente promissora, muito por seguir o modelo de negócios baseado em franquias, que chegavam ao valor de milhões de dólares. Mais detalhes vieram à tona com o decorrer do ano seguinte e, no fim de 2017, os primeiros integrantes foram revelados ao público:

Nada disso, porém, impactou o público brasileiro. A Overwatch League se tornou verdadeiramente relevante para os fãs do país apenas em dezembro de 2018, quando o primeiro e, até o momento, único jogador brasileiro foi contratado por um time da liga, no caso, Renan "alemao" Moretto, anunciado pela Boston Uprising.

O jogador entrou como reforço da line-up na terceira temporada da competição, que também contou com a novidade de ser trazida ao Brasil com narração e comentários em português, o que a tornou integralmente acessível para os fãs brasileiros.

Consolidação

O ano de 2019 foi marcado pelo fim da Copa América, porém, também trouxe o surgimento de diversas outras ligas competitivas focadas no mercado e cenário global.

Em 2020, foi anunciado que o circuito de StarCraft II foi dissolvido junto ao do recém-criado circuito de Warcraft III Reforged, versão remasterizada do game lançado originalmente em 2002, para posterior inclusão das competições no ESL Pro Tour, liga com vagas para a América Latina.

World of Warcraft deixou de ser alcançável, de certa maneira, para os jogadores competitivos brasileiros, já que o principal circuito, Arena Championship, possui apenas eventos promovidos na América do Norte e Europa.

Hearthstone recebeu o Masters Tour, circuito unificado com eventos em diversos locais do mundo, todos com inscrições abertas que ranqueiam os jogadores em uma pontuação geral e, neste cenário o Brasil é bem representado, afinal, já foi destaque de diversos eventos com Rase, Nayara “NaySyl” Sylvestre, Lucas "Torph" Barbosa, Rodrigo "Sargento SC" Niesciur e Davi "Fled" Garcia.

Enquanto isso, Overwatch possui um modelo totalmente reformulado de torneios, com o a evolução do Path to Pro, com foco na Contenders, disputa aberta que acontece por temporadas, com times podendo escalar de qualificatórias abertas (Divisão Aberta), para as eliminatórias (Trials) para então, chegar à liga principal.

Mesmo após 10 anos, ainda há diversas novidades no horizonte para fãs da Blizzard, afinal, já foram anunciados Diablo IV, Overwatch 2 e novas expansões para WoW e Hearthstone, ou seja, mais anos de jogos e competições aguardam no futuro.

Qual o momento que mais marcou você nesses dez anos de Blizzard no Brasil? Conte nos comentários.

0

Mais Reportagens

16:24 Blizzard anuncia fim da Overwatch Contenders sul-americana
12:34 Dubladores ainda não começaram a trabalhar em Overwatch 2
18:22 Gen G suspende Ryujehong, ex-Seoul Dynasty, após série de comentários machistas
17:00 Atualização 1.56 de Overwatch traz novo mapa e buffs para Hanzo
16:33 Desafio de Kanezaka oferece skin exclusiva de Hanzo em Overwatch
16:32 Os 10 jogos com as maiores premiações nos esports em 2020
12:00 Overwatch pode ser jogado de graça até 4 de janeiro
12:00 Fã cria retratos incrivelmente realistas de heróis de Overwatch
09:39 Os vencedores do Prêmio eSports Brasil 2020
13:44 NRG constrói castelo de US$ 10 milhões para atletas e criadores de conteúdo da organização

Recomendados

Exposed nos esports: como denunciar e agir diante de casos de violência sexual
MGG Brasil realiza ação de lançamento e entrega headsets personalizados a influenciadores
Quem dá mais? A regulamentação das apostas no Brasil e seu impacto nos esports

Descubra guias

Tudo sobre a Contenders Gauntlet, a última etapa do competitivo de Overwatch em 2020
Assista ao vivo agora: Playoffs da Overwatch Contenders SA
Primeiras impressões de Overwatch 2: PvP empolga, mas PvP é mais do mesmo